Folk Lusitânia

Folk, Neo-clássico, New Age, World Music, Darkwave, Medieval, Música Étnica, Folk Metal, Symphonic Metal, Dark Ambient, Neofolk, Marcial.
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Sangre Cavallum

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Glam
Deus(a) do Sol (administração)
avatar

Feminino
Áries Búfalo
N. de Mensagens : 902
Idade : 32
Raça : Fada
Elemento : Sombra
Deus : Hermes (Engenho/Pensamento/Arte)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Sangre Cavallum   Qui Jan 22, 2009 10:03 pm

Sangre Cavallum



Provenientes de Penafiel, é uma pena que a excelente banda Sangre Cavallum não tenha o mérito merecido em terras lusas. Ao ouvir o folk que os Sangre Cavallum criaram e renovaram, sentimo-nos recuar no tempo, tal como o texto citado explicita.

Citação :
No território do norte de Portugal e Galiza - a Gallæcia história e do Porvir - ainda se respiram os ventos portadores de hinos gentios e a revelação interior dos símbolos da memória. É nas crenças de origem pagã, na música e nas tradições literário-orais, mantidas através do saber popular, que subsiste a trave de ouro da tradição. Muitos desses tesouros de sabedoria não foram destruídos pela aspereza proibitiva do Cristianismo, uma vez que representam justamente as montanhas fortificadas da ordem, com a sua natureza, a sua forma e o seu poder mantidos até ao tempo presente. A glória dos nossos Deuses e heróis - ferreiros do nosso furor belli - ainda corre na incandescência solar das águas durienses, no sangue, na seiva e no vinho... enquanto o seu espírito ascende e se sublima num verdadeiro despertar, longe deste reino demencial da consumpção e da desordem.
retirado do álbum Barbara Carmina


Membros:


Discografia:


"Alborada do Douro" 1998


"Barbara Carmina" 2004


"Pátria Granítica" 2006


"Barco do Vinho" 2006 (juntamente com Allerseelen)


Myspace:
http://www.myspace.com/sangrecavallum
Site Oficial: http://www.sangrecavallum.com/
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ella
Guerreiro/Guerreira
avatar

Feminino
Capricórnio Dragão
N. de Mensagens : 32
Idade : 28
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Cronos (Tempo/Ordem/Lei)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Qua Fev 11, 2009 8:39 pm

O clássico "Chin Glin Din" tem um impacto estrondoso pelas mãos destes senhores.

*Vénia*
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ceinwyn
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Feminino
Leão Tigre
N. de Mensagens : 3936
Idade : 31
Raça : Gárgula
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Ares (Guerra/Heroísmo/Conquista)
Cor : Vermelho

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Qua Fev 11, 2009 10:08 pm

Eu acho a versão deles do Menino Ó ultra assustadora lol

_________________

Certe canzoni attraversano le mura con sacre ironie e parlano, senza parole, quell'unica lingua ch'è il suono.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Wanderer
Burguês/Burguesa
avatar

Masculino
Gémeos Cachorro
N. de Mensagens : 51
Idade : 35
Local : Coruche
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Hades (Submundo/Pranto/Morte)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Qui Fev 12, 2009 8:51 am

Ella escreveu:
O clássico "Chin Glin Din" tem um impacto estrondoso pelas mãos destes senhores.
Sem dúvida, é a interpretação mais interessante que conheço desta música tradicional!

Ceinwyn escreveu:
Eu acho a versão deles do Menino Ó ultra assustadora lol
Assustadora? Lol. Isso é um aspecto positivo ou negativo?

Glam escreveu:
(...)é uma pena que a excelente banda Sangre Cavallum não tenha o mérito merecido em terras lusas
Isso acontece com grande parte das bandas portuguesas de qualidade e não apenas de estilos relacionados com Folk (existe o exemplo cabal dos Madredeus), mas, para bem dos Sangre Cavallum, eles têm relativa importância no estrangeiro pois participam frequentemente em compilações e, como mostraste no teu post, até lançaram um split com Allerseelen.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://shemahmforash.blogspot.com/
Entropic Thing
Guerreiro/Guerreira
avatar

Feminino
Capricórnio Cachorro
N. de Mensagens : 43
Idade : 34
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Cronos (Tempo/Ordem/Lei)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Qui Fev 12, 2009 11:08 am

Os Madredeus começaram a ter sucesso cá depois de o alcançarem lá fora. O que só prova que somos uns tristes.

Não conheço esta banda. Já conhecia o nome, já tinha lido sobre ela, mas nunca ouvi nada. Tenho de colmatar essa falha Wink
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://senhorasdometal.blogspot.com/
Ceinwyn
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Feminino
Leão Tigre
N. de Mensagens : 3936
Idade : 31
Raça : Gárgula
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Ares (Guerra/Heroísmo/Conquista)
Cor : Vermelho

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Qui Fev 12, 2009 1:39 pm

Wanderer escreveu:

Ceinwyn escreveu:

Eu acho a versão deles do Menino Ó ultra assustadora lol
Assustadora? Lol. Isso é um aspecto positivo ou negativo?

Positivo lol. Mas mete medo Razz

Wanderer escreveu:

Ella escreveu:

O clássico "Chin Glin Din" tem um impacto estrondoso pelas mãos destes senhores.
Sem dúvida, é a interpretação mais interessante que conheço desta música tradicional!

Num outro estilo, gosto muito da versão de Diabo a Sete.


Há muitas bandas que têm mais sucesso lá fora que cá. Se calhar não damos tanta importância por ser nosso, pensamos que pode ficar para outra vez porque estão sempre aí. Tenho amigos gregos que adoram fado e que muitas vezes vêem concertos de fadistas que em Portugal não são tão conhecidos como isso e no entanto enchem boas salas noutros pontos do mundo. O mesmo valeu para Madredeus durante muito tempo e também para os Moonspell, por exemplo.

_________________

Certe canzoni attraversano le mura con sacre ironie e parlano, senza parole, quell'unica lingua ch'è il suono.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Aelle
Mestre
avatar

Masculino
Libra Porco
N. de Mensagens : 748
Idade : 33
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Cronos (Tempo/Ordem/Lei)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Seg Fev 16, 2009 1:45 am

Sangre Cavallum, conhecia, gosto bastante. Um amigo comprou um dos seus álbuns. Não sabia que eram de Penafiel, uma das minhas terras de origem.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ella
Guerreiro/Guerreira
avatar

Feminino
Capricórnio Dragão
N. de Mensagens : 32
Idade : 28
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Cronos (Tempo/Ordem/Lei)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Seg Fev 16, 2009 2:35 am

[quote="Wanderer"]
Ella escreveu:
O clássico "Chin Glin Din" tem um impacto estrondoso pelas mãos destes senhores.
Sem dúvida, é a interpretação mais interessante que conheço desta música tradicional!

Também gosto da versão de Galandum Galundaina, mas é mais festivaleira =)
Enquanto esta quase nos transporta para trás no tempo!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Cernunnos
Artista
avatar

Masculino
Gémeos Cachorro
N. de Mensagens : 309
Idade : 35
Local : Castelo de Paiva
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Sab Ago 14, 2010 10:59 pm

acho que já tinha ouvido sangre cavallum há uns tempos mas não dei grande importância.
desta vez foi bem diferente. só posso dizer uauuu que som do car*lho!!! Shocked
muito bom mesmo, e foi bom descobrir que são de Penafiel, terra do meu pai e onde está a minha familia do lado dele, e onde estudei.

Citação :
Também gosto da versão de Galandum Galundaina, mas é mais festivaleira =)
Enquanto esta quase nos transporta para trás no tempo!

100% de acordo Smile
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Signatus
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Virgem Dragão
N. de Mensagens : 2724
Idade : 28
Local : Ofiussa
Raça : Lobitroll
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Verde

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Dom Ago 15, 2010 12:53 pm

Muito Bom mesmo!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Olaf Azmun-Biköh
Sacerdote/Sacerdotisa
avatar

Masculino
Escorpião Cavalo
N. de Mensagens : 256
Idade : 26
Local : Évora
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Cronos (Tempo/Ordem/Lei)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Dom Ago 15, 2010 1:03 pm

Tenho de ouvir sem dúvida Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Floresta
Herói/Heroína mitológic@
avatar

Masculino
Escorpião Cobra
N. de Mensagens : 2477
Idade : 27
Local : Lisboa
Raça : Ent/Povo das Árvores
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Cronos (Tempo/Ordem/Lei)
Cor : Preto

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Dom Ago 15, 2010 2:23 pm

Tens mesmo. Conheço pouco de Sangre Cavallum, só ouvi ainda com atenção o Barbara Carmina, mas é mesmo muito bom.

_________________
Si Roma cadit, sic omnis terrae!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Cernunnos
Artista
avatar

Masculino
Gémeos Cachorro
N. de Mensagens : 309
Idade : 35
Local : Castelo de Paiva
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   Dom Ago 15, 2010 3:52 pm

Um entrevista aos Sangre Cavallum que encontrei. Ajuda a enquadrar a música deles



Quando se deu a génese de Sangre Cavallum?
Foi num Inverno há dez anos atrás. O interesse pela música como elemento mágico e criador vinha dos anos 80 onde todos tivemos experiências diversas. O passo para Sangre Cavallum deu-se pela necessidade de cantar a Callaecia, cantar a nossa terra e as suas tradições. Para o efeito começamos a usar instrumentos tradicionais em bárbaro convívio com os modernos equipamentos de hoje. Juntámo-nos pela luta espiritual que nos une e pela vontade de percorrer o nosso próprio caminho. Assim quisemos criar a nossa música sem vassalagem às imposições culturais, leia-se genocídio cultural, das sociedades modernas.

A nível musical, os membros da banda têm formação académica na área ou aprenderam sempre com base na prática?
Apenas um elemento, a Corinna Ardo, tem formação clássica de piano, instrumento que por ora raramente usámos. Tal como eu, os restantes elementos (Jorge Ricardo, R. Coutinho, A. Rangel e Emanuel Melo da Cunha) são autodidactas ou com alguma formação tradicional. Somos oriundos de áreas como o rock alternativo de 80, o punk, a música experimental ou o folclore minhoto.

Quais são as principais referências e influências na sonoridade de Sangre Cavallum?
Concerteza que fomos influenciados por bandas como Death in June, Sol Invictus ou Joy of Life, ou ainda Joy Division, And Also the Trees, Test Department ou Bauhaus. Do lado do folk os eternos Malicorne, Banda do Casaco, Milladoiro, Steeleye Span ou Alan Stivel. Contudo, parece-nos que a maior influência, aquando na formação da banda, veio dos grupos de gaiteiros mirandeses, dos pastores, dos cantares de trabalho e dos arrepiantes grupos de Zé-pereiras que muito estimámos desde do Vale do Sousa ao Alto-Minho.

E qual o papel do folclore tradicional nos vosso trabalhos?
Há elementos tradicionais do Norte de Portugal e da Galiza que se podem detectar na nossa música. Outros são mais sublimes ou até se encontram ocultos no interior dos temas. Não há uma preocupação excessiva quanto à autenticidade. A tradição é uma sementeira viva e criadora, cada intérprete vai acrescentando a sua marca e os elementos da sua realidade e da sua memória. Não fazemos música de época, podemos perfeitamente combinar um instrumento com 150 anos e um qualquer software e daí resultar uma canção. A tradição não é uma relíquia dentro de um armário, é antes um fogo vivo.

É notável a quantidade de instrumentos utilizados na criação da vossa música. Quão importante é o seu papel no contexto de Sangre Cavallum, musicalmente e socialmente?
Cada instrumento conta uma história. De cada um brota uma musicalidade, uma linha melódica que muitas vezes não se inventa noutro instrumento. Há uma riqueza tímbrica que não se repete e que advém das madeiras, do construtor e da vida a que o instrumento esteve sujeito. Normalmente preferimos os instrumentos em segunda-mão ou então feitos à nossa medida nos nossos amigos construtores – que nas mãos gretadas guardam magias antigas, música e tradição.

Desde a edição da vossa primeira gravação até ao primeiro álbum decorreram cerca de 6 anos, tendo “Pátria Granítica” e “Barco do Vinho” saído 2 anos depois. Foram-se tornando mais produtivos ao longo dos anos?
Os lançamentos não são prioritários, temos outros interesses ligados à música que não passam pelo registo sonoro e pela sua divulgação. Sempre houve um bom ritmo de trabalho e o nosso arquivo é hoje muito extenso, é o nosso maior património. Nessa altura gravámos mais dois álbuns não editados e outros temas para lançamentos futuros. A explicação é simples, não trabalhámos sob qualquer pressão editorial. Há apenas a vontade autónoma de editar, ou não, em determinadas datas e circunstâncias.

Com dois trabalhos lançados no mesmo ano, quais são as principais diferenças entre eles?
A maior diferença reside na temática. As diferenças musicais em nada nos inquietam, fazemos sempre o que gostámos. O facto de haver um cruzamento entre os dois projectos não altera o processo criativo. Conhecemo-nos bem e sabemos como cada projecto trabalha. Em termos de gravação há algumas diferenças. Houve partes que foram gravadas presencialmente enquanto outras se dependeram da troca postal.

Todo o conceito lírico de “Pátria Granítica” gira em redor do legado histórico dos nossos antepassados. Quais serão as características principais desses tempos que não consideram existir actualmente?
Honra, fidelidade, intolerância e protecção familiar são elementos de uma visão que gira em redor do combate perpétuo, ao serviço da raça e da terra, e nunca em redor da paz podre e artificial do materialismo cristão. Estes e outros elementos elevam o sentir comunitário. Outra das verdades esquecidas é o encarar a morte com a dignidade de um triunfo, de uma vitória. Todos estes valores devem ser transmitidos aos nossos filhos em forma de glosa heróica ou canções evocativas, assim se faz da música e do lirismo, verdadeiros fachos do espírito. O actual e fastidioso chorrilho humanista é apenas ruído para os nossos ouvidos.

E porquê a temática do Vinho como catalisador da inspiração do split com Allerseelen? Era uma ideia já a pairar há muito tempo?
Sim, a ideia foi fermentando durante algum tempo e na altura certa começamos a trabalhar. O vinho encerra muito de mágico e de comunitário. Fazer o vinho é um trabalho que une a fertilidade da terra e a arte e força dos homens.

Qual foi a principal motivação para a publicação deste split?
A vontade de trabalhar em conjunto e a admiração pelo vinho levou-nos a pensar neste trabalho. Há muitos gostos e aspirações comuns daí que seja sempre provável que nasçam ideias conjuntas. A colaboração entre projectos não é prova de qualquer aliança ou pacto, é a prova de que ombro a ombro se caminha firmemente.

Sendo os Allerseelen uma banda Austríaca, foi difícil para eles enquadrarem-se numa temática tão nossa como a cultura vinhateira do Norte de Portugal, especificamente a relacionada ao Rio Douro?
A cultura do vinho é algo transversal aos Europeus, sobretudo aos que cultivam o gosto pela terra. O Douro, pela sua sedução natural, facilmente se enquadrou nas buscas de Allerseelen. O próprio Gerhard teve oportunidade de visitar e de se deixar encantar pelo Douro e os seus vinhos.

“Barbara Carmina” foi lançado pela Storm/Tesco mas “Pátria Granítica” e “Barco do Vinho” pela Ahnstern/Steinklang Industries. Houve alguma razão especial para a mudança?
Não houve qualquer problema com a Storm e continuámos a ter projectos comuns para edições futuras. No entanto, para o volume de trabalho que se avizinha é mais adequado trabalhar com a Ahnstern. Trata-se apenas de gostarmos de trabalhar com amigos, o que acontece em ambas as editoras.

Estão satisfeitos com o trabalho de promoção feito até agora pela Ahnstern?
O trabalho com eles agrada-nos em todos os sentidos. A promoção é suficiente, a distribuição funciona bem e não há qualquer pressão ou solicitações indesejáveis. O que importa é estar longe das demandas dos mercados, das estéticas da artificialidade e, sobretudo, não engraxar botas que não as nossas.

Acaba por ser curiosa a vossa relação próxima com projectos referência neste espectro sonoro, como Blood Axis e Allerseen. Depois de terem editado pela Storm e actuarem em Portugal com a banda de Michael Moynihan, agora que editaram pela Ahnstern e lançaram um split com Allerseen, podemos aspirar a ver-vos tocar com a banda de Gerhard Hallstatt nos próximos tempos?
É natural que isso venha a acontecer. Existem os convites e serão ponderados.

Tocar ao vivo é uma coisa que os Sangre Cavallum têm feito raramente ao longo dos anos. É uma opção própria?
Por nossa vontade e natureza os concertos não são prioritários. Preferimos o silêncio do lar e o ar dos montes aos ambientes dos concertos.

Mas qual foi o vosso concerto mais especial?
Foi no teatro romano das ruínas de Segobriga, perto Cuenca (Espanha) no festival Arcana Europa. Tocámos sob um Sol abrasador e foi um concerto muito dedicado à nossa terra e à nossa música de raiz. Outro aspecto que muito nos agradou foi o facto de em frente ao palco existir uma grande e bela estátua sem cabeça, a lembrar Portugal sem a Galiza. Por tudo isso, foi especialmente iluminado. Contudo, os poucos concertos que tocámos foram sempre especiais.

Há alguma banda com a qual gostariam particularmente de actuar?
Agrada-nos muito a ideia de tocar com um vasto grupo de Zés-pereiras a assegurar a percussão. De resto, quaisquer dos grupos nossos amigos poderão integrar apresentações ao vivo.

É notória a vossa aversão ao Cristianismo e orientação Pagã. Consideram-se representantes/praticantes do Paganismo tradicional, ou preferem manter-se alheios a questões religiosas ou filosóficas?
Não há enquadramento possível, o melhor é mesmo não fazer parte do que quer que seja. Por certo que somos alheios a todo este enredo social, a todas psicoses que largamente afectam a sociedade actual. Por outro lado, não representámos qualquer sistema ligado ao neo-paganismo ou qualquer prática organizada. A nossa religiosidade, de culto pagão, a nós pertence. Naturalmente que crescemos lado a lado com a Cristandade mas cedo se substituiu a cruz ensanguentada por muitos símbolos solares, esses que por todo o Norte encontrámos gravados nas pedras e na nossa memória. Venha a nós o nosso reino…

Os Sangre Cavallum têm algum papel político ou social?
Não nos interessa a política, a economia e a grande conspiração que mantém apertados estes grilhões das modernas sociedades.

Mas a passagem da mensagem de união e preservação da Callaecia é compatível com eventuais aspirações políticas de fusão do Norte de Portugal e Galiza num estado independente?
Não temos qualquer interesse em novas fronteiras administrativas para a Callaecia, novos paus-mandados no poder com a inata falta de acutilância dos que hoje içam bandeiras. Não queremos mais do mesmo, ou seja, mais republicanos aldrabões, vendidos aos poderes do comércio e do Santo Lucro. Interessa-nos a unidade espiritual galaico-duriense, o Pangaleguismo, a religiosidade arcaica, o etnocentrismo e a reposição histórica, que Portugal não esqueça o seu Norte consanguíneo, a Galiza! De resto, as inconsequências políticas ficam para os abutres do costume.

Quais são os planos de Sangre Cavallum para o futuro?
Para além do muito trabalho interno, serão produzidos novos álbuns e eventualmente algumas aparições ao vivo. A tendência será o aprofundar deste cruzamento entre música de inspiração tradicional e as músicas mais underground como o Industrial, o rock psicadélico ou a música experimental. Serão efectuados alguns trabalhos com imagem vídeo entre os muitos tributos à Callaecia, às suas fontes etnográficas e aos tesouros da espiritualidade d’aquém e d’além Minho, a nossa terra transduriana.

Se vos fosse dada a possibilidade de concretizar um objectivo ou desejo específico, qualquer coisa, o que seria?
Desenterrar muitas coisas e enterrar muitas mais!



Gosto sobretudo da resposta à pergunta "Todo o conceito lírico de “Pátria Granítica” gira em redor do legado histórico dos nossos antepassados. Quais serão as características principais desses tempos que não consideram existir actualmente?" \m/ .s.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Sangre Cavallum   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Sangre Cavallum
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Letania de Sangre

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Folk Lusitânia :: Parte Norte :: Coliseu Musical :: Apenas Lusitano-
Ir para: