Folk Lusitânia

Folk, Neo-clássico, New Age, World Music, Darkwave, Medieval, Música Étnica, Folk Metal, Symphonic Metal, Dark Ambient, Neofolk, Marcial.
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Sentido da vida

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4
AutorMensagem
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 6:59 pm

DarkCapricorn escreveu:
na minha opinião, o sentido da vida é fazer aquilo que nos dá prazer, mesmo que dure por pouco tempo, vais-te lembrar sempre daquele momento em que vives-te e te sentis-te bem, e vais fazer tudo para que se volte a repetir. não consigo ser mais simples que isto. é assim que levo a minha vida Smile

"stand and fight, say what you feel, born with a heart of steel" Manowar

Portanto és adepto do hedonismo?

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
DarkCapricorn
Cavaleiro/Dama
avatar

Masculino
Capricórnio Porco
N. de Mensagens : 184
Idade : 33
Local : Asgard
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 7:06 pm

Averróis escreveu:
DarkCapricorn escreveu:
na minha opinião, o sentido da vida é fazer aquilo que nos dá prazer, mesmo que dure por pouco tempo, vais-te lembrar sempre daquele momento em que vives-te e te sentis-te bem, e vais fazer tudo para que se volte a repetir. não consigo ser mais simples que isto. é assim que levo a minha vida Smile

"stand and fight, say what you feel, born with a heart of steel" Manowar

Portanto és adepto do hedonismo?

nem sabia o que era e fui saber. acho que não sou assim tão egoísta, apenas procuro sentir-me bem porque não vale a pena estar sempre de mal com o mundo, embora nem todos os dias sejam iguais e há dias melhores que outros, e está na nossa mão torná-los melhor e dar uma vida melhor a nós próprios. se um momento me dá prazer tento repeti-lo, se tiver companhia para a viagem... melhor ainda!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/daniel.esgaio
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 7:32 pm

DarkCapricorn escreveu:
nem sabia o que era e fui saber. acho que não sou assim tão egoísta, apenas procuro sentir-me bem porque não vale a pena estar sempre de mal com o mundo, embora nem todos os dias sejam iguais e há dias melhores que outros, e está na nossa mão torná-los melhor e dar uma vida melhor a nós próprios. se um momento me dá prazer tento repeti-lo, se tiver companhia para a viagem... melhor ainda!

Se o teu objectivo primordial de vida é estar bem, ser feliz, então és eudemonista. Wink
Estes assuntos já são debatidos há tanto tempo... Aristóteles tem boas obras sobre o eudemonismo.
Aconselho-te o "Ética a Eudemo" e o "Ética a Nicómaco", se gostas de filosofia.

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
DarkCapricorn
Cavaleiro/Dama
avatar

Masculino
Capricórnio Porco
N. de Mensagens : 184
Idade : 33
Local : Asgard
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 8:27 pm

Averróis escreveu:
DarkCapricorn escreveu:
nem sabia o que era e fui saber. acho que não sou assim tão egoísta, apenas procuro sentir-me bem porque não vale a pena estar sempre de mal com o mundo, embora nem todos os dias sejam iguais e há dias melhores que outros, e está na nossa mão torná-los melhor e dar uma vida melhor a nós próprios. se um momento me dá prazer tento repeti-lo, se tiver companhia para a viagem... melhor ainda!

Se o teu objectivo primordial de vida é estar bem, ser feliz, então és eudemonista. Wink
Estes assuntos já são debatidos há tanto tempo... Aristóteles tem boas obras sobre o eudemonismo.
Aconselho-te o "Ética a Eudemo" e o "Ética a Nicómaco", se gostas de filosofia.

eu e a filosofia temos uma relaçao muito estranha. na escola no primeiro teste tinha 18, depois no segundo tinha 2. basicamente ou aquilo corria muito bem ou corria mesmo muito mal, de forma que nunca me interessei muito por filosofia porque nunca se rege pelo mesmo peso e pela mesma medida, é tudo muito disperso mediante a opiniao do individuo que esta a fazer o exercicio. mas concordo mais quando dizes que sou eudemonista, acho que se encaixa perfeitamente na minha pessoa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/daniel.esgaio
Signatus
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Virgem Dragão
N. de Mensagens : 2724
Idade : 29
Local : Ofiussa
Raça : Lobitroll
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Verde

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 8:28 pm

DarkCapricorn escreveu:
Averróis escreveu:
DarkCapricorn escreveu:
nem sabia o que era e fui saber. acho que não sou assim tão egoísta, apenas procuro sentir-me bem porque não vale a pena estar sempre de mal com o mundo, embora nem todos os dias sejam iguais e há dias melhores que outros, e está na nossa mão torná-los melhor e dar uma vida melhor a nós próprios. se um momento me dá prazer tento repeti-lo, se tiver companhia para a viagem... melhor ainda!

Se o teu objectivo primordial de vida é estar bem, ser feliz, então és eudemonista. Wink
Estes assuntos já são debatidos há tanto tempo... Aristóteles tem boas obras sobre o eudemonismo.
Aconselho-te o "Ética a Eudemo" e o "Ética a Nicómaco", se gostas de filosofia.

eu e a filosofia temos uma relaçao muito estranha. na escola no primeiro teste tinha 18, depois no segundo tinha 2. basicamente ou aquilo corria muito bem ou corria mesmo muito mal, de forma que nunca me interessei muito por filosofia porque nunca se rege pelo mesmo peso e pela mesma medida, é tudo muito disperso mediante a opiniao do individuo que esta a fazer o exercicio. mas concordo mais quando dizes que sou eudemonista, acho que se encaixa perfeitamente na minha pessoa.
Esquece a filosofia da escola elephant
Eu também os testes que me corriam pior era os que tinha melhor nota e vice-versa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 8:32 pm

Signatus escreveu:
Esquece a filosofia da escola elephant
Eu também os testes que me corriam pior era os que tinha melhor nota e vice-versa.

x2.

A inflexibilidade da disciplina de filosofia é contraprodutiva em relação à própria filosofia.... Dependendo do professor, claro.

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
Signatus
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Virgem Dragão
N. de Mensagens : 2724
Idade : 29
Local : Ofiussa
Raça : Lobitroll
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Verde

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 8:33 pm

Averróis escreveu:



A inflexibilidade da disciplina de filosofia é contraprodutiva em relação à própria filosofia.... Dependendo do professor, claro.
Ora aí está! Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
DarkCapricorn
Cavaleiro/Dama
avatar

Masculino
Capricórnio Porco
N. de Mensagens : 184
Idade : 33
Local : Asgard
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 8:59 pm

Averróis escreveu:
Signatus escreveu:
Esquece a filosofia da escola elephant
Eu também os testes que me corriam pior era os que tinha melhor nota e vice-versa.

x2.

A inflexibilidade da disciplina de filosofia é contraprodutiva em relação à própria filosofia.... Dependendo do professor, claro.

talvez seja por isso que nunca tenha gostado de filosofia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/daniel.esgaio
Cernunnos
Artista
avatar

Masculino
Gémeos Cachorro
N. de Mensagens : 309
Idade : 35
Local : Castelo de Paiva
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 9:03 pm

DarkCapricorn escreveu:
Averróis escreveu:
Signatus escreveu:
Esquece a filosofia da escola elephant
Eu também os testes que me corriam pior era os que tinha melhor nota e vice-versa.

x2.

A inflexibilidade da disciplina de filosofia é contraprodutiva em relação à própria filosofia.... Dependendo do professor, claro.

talvez seja por isso que nunca tenha gostado de filosofia.

somos dois.
eu sempre achei que as aulas deviam ser metade a aprender aquelas cenas teóricas e históricas e não sei quê, e o resto devia ser para divagar e questionar. nunca tive disso, mas talvez existam professores com uma abordagem interessante, e eu tenha tido o azar de ter tido professor seca e chatos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ceinwyn
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Feminino
Leão Tigre
N. de Mensagens : 3936
Idade : 31
Raça : Gárgula
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Ares (Guerra/Heroísmo/Conquista)
Cor : Vermelho

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:23 pm

Cernunnos escreveu:
DarkCapricorn escreveu:
Averróis escreveu:
Signatus escreveu:
Esquece a filosofia da escola elephant
Eu também os testes que me corriam pior era os que tinha melhor nota e vice-versa.

x2.

A inflexibilidade da disciplina de filosofia é contraprodutiva em relação à própria filosofia.... Dependendo do professor, claro.

talvez seja por isso que nunca tenha gostado de filosofia.

somos dois.
eu sempre achei que as aulas deviam ser metade a aprender aquelas cenas teóricas e históricas e não sei quê, e o resto devia ser para divagar e questionar. nunca tive disso, mas talvez existam professores com uma abordagem interessante, e eu tenha tido o azar de ter tido professor seca e chatos.
Same here. Tive uma prof católica e conservadora. Era bonito, era.

_________________

Certe canzoni attraversano le mura con sacre ironie e parlano, senza parole, quell'unica lingua ch'è il suono.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
DarkCapricorn
Cavaleiro/Dama
avatar

Masculino
Capricórnio Porco
N. de Mensagens : 184
Idade : 33
Local : Asgard
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:29 pm

Ceinwyn escreveu:
Same here. Tive uma prof católica e conservadora. Era bonito, era.

lol... eu tive um prof de filosofia que era padre. mas até nem nos davamos muito mal... apesar de ele saber o que eu pensava sobre a religião, não era má pessoa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/daniel.esgaio
Fenris
Rei/Rainha


N. de Mensagens : 1168
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Hades (Submundo/Pranto/Morte)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:30 pm

Averróis escreveu:
Signatus escreveu:
Esquece a filosofia da escola elephant
Eu também os testes que me corriam pior era os que tinha melhor nota e vice-versa.

x2.

A inflexibilidade da disciplina de filosofia é contraprodutiva em relação à própria filosofia.... Dependendo do professor, claro.
Eu só tinha 10 a filosofia porque tudo o resto eram notas de 16 para cima, então não me "podiam" chumbar, hahaha. Uma vez embebedei-me muito a sério mesmo antes de um teste e tive 17.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:52 pm

DarkCapricorn escreveu:
Ceinwyn escreveu:
Same here. Tive uma prof católica e conservadora. Era bonito, era.

lol... eu tive um prof de filosofia que era padre. mas até nem nos davamos muito mal... apesar de ele saber o que eu pensava sobre a religião, não era má pessoa.

Por vezes há padres/frades interessantes por serem pouco ortodoxos e inovarem no pensamento. Um pouco como aqueles génios da Escolástica que desafiavam o estereotipo de um Cristão e acreditarem na separação entre dogma e o estudo da essência das coisas. Gente como São Tomás de Aquino ou Giordano Bruno. tongue

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
Fenris
Rei/Rainha


N. de Mensagens : 1168
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Hades (Submundo/Pranto/Morte)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:55 pm

E santo Agostinho.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:57 pm

Fenris escreveu:
E santo Agostinho.

Uma grande inspiração para Tomás de Aquino. tongue

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
DarkCapricorn
Cavaleiro/Dama
avatar

Masculino
Capricórnio Porco
N. de Mensagens : 184
Idade : 33
Local : Asgard
Raça : Hobbit
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Azul Escuro

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Qui Set 02, 2010 10:57 pm

Averróis escreveu:
DarkCapricorn escreveu:
Ceinwyn escreveu:
Same here. Tive uma prof católica e conservadora. Era bonito, era.

lol... eu tive um prof de filosofia que era padre. mas até nem nos davamos muito mal... apesar de ele saber o que eu pensava sobre a religião, não era má pessoa.

Por vezes há padres/frades interessantes por serem pouco ortodoxos e inovarem no pensamento. Um pouco como aqueles génios da Escolástica que desafiavam o estereotipo de um Cristão e acreditarem na separação entre dogma e o estudo da essência das coisas. Gente como São Tomás de Aquino ou Giordano Bruno. tongue

este era um pouco conservador, mas acho que o homem tinha mesmo era medo das minhas t-shirts de metal, entao procurava falar comigo e tentar perceber o porquê de ser como era. daí vieram as nossas, saudaveis, discussoes acerca de religiao, politica e até familia!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/daniel.esgaio
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Sab Set 04, 2010 12:48 am


_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
Kraft durch Freude
Herói/Heroína mitológic@
avatar

N. de Mensagens : 2053
Raça : Ent/Povo das Árvores
Deus : Ares (Guerra/Heroísmo/Conquista)

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Sab Set 18, 2010 5:11 pm

Fenris escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Entretanto parece-me que o Fenris e o Averróis andam a misturar felicidade com alegria e bem-estar momentâneos. Eu posso ser feliz e sentir-me mal ou triste. Vejo a felicidade como a "overall picture" e a alegria ou tristeza como sentimentos momentâneos. Ser-se feliz é independente da endorfina que te estimula num determinado momento.

Desculpa, mas tenho que te corrigir aqui, se leste bem os meus posts atrás vais ver que eu afirmei que tristeza e felicidade são compatíveis. Até porque para mim o contrário de felicidade é depressão, que é diferente de tristeza, está-lhe associada como é óbvio mas não são sinónimos de todo.


Estava a referir-me à tua afirmação de de que para ti "a felicidade é uma descarga de endorfina". Vejo isso como o tal bem-estar momentâneo que nada tem a ver com a felicidade da tal "overall picture". O teu objectivo de vida pode ser sentir essas descargas e continuares encostado a uma eventual tristeza que te seja mais confortável do que a procura da (real, para mim) felicidade.

Nada no que eu disse implica que eu ache que pensas que há alguma incompatibilidade entre os sentimentos de felicidade e tristeza simultâneos.



Averróis escreveu:
Ora essa é fácil. Não são os criacionistas que afirmam, categoricamente, que tudo tem de ter um criador? Pensar no criador do criador é apenas o próximo passo.
Não. Os "criacionistas" (pelo menos aqueles com quem mantive algum contacto) afirmam que o criador já existia antes de todas as coisas e, portanto, não foi criado. Já "cá estava" antes de tudo o resto.


Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Não acredito na teoria das vidas múltiplas, da vida depois da morte. Se ela realmente existe, então faz pouco sentido ou não tem qualquer benefício
Admitindo que existe, como sabes que não tem qualquer benefício? Quem és tu para o afirmares tão peremptoriamente? Smile
Assumindo ainda que existe e que realmente não tem qualquer benefício: porque é que havia de ter? Porque não pode ser assim, simplesmente porque é?

Ser um reencarnado chega? Razz
Porque a mim o "ser só por ser" é uma resposta que não responde a nada. Logo não se qualifica sequer para ser uma resposta aceitável.

(...)não vejo benefício nisso...

(...)*Tudo* o que acontece connosco tem uma razão de ser.
Porque é que tu nasceste, tens consciência de ti e te "calhou" esse corpo? Que benefício é que isso trouxe ao Universo? Que razão houve para isso acontecer? Porque é que, só por tu não veres o benefício de a reencarnação ser "real", ela não há-de o ser? Mais: se houver mesmo uma motivação para isso mas não for possível ao teu cérebro discerni-la, consideras que ela não pode mesmo existir?


Não acho que tudo tenha de ter uma razão (ou que nós, humanos, tenhamos capacidade para entender tudo). Acho que há um limite a partir do qual as coisas deixam de fazer sentido, o Absurdo pega na lógica ao colo e senta-a num cantinho, bem sossegada e arrumada.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Sab Set 18, 2010 6:38 pm

Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Ora essa é fácil. Não são os criacionistas que afirmam, categoricamente, que tudo tem de ter um criador? Pensar no criador do criador é apenas o próximo passo.
Não. Os "criacionistas" (pelo menos aqueles com quem mantive algum contacto) afirmam que o criador já existia antes de todas as coisas e, portanto, não foi criado. Já "cá estava" antes de tudo o resto.

Se para tudo o resto há sempre um criador, porque é que não pode haver um criador para o criador?... Questiono-me porquê. Razz
Se já cá estava é porque existe. Se existe então existe desde quando? Se existe desde X então o que é que é que o antecede? Ou criou-se a si próprio? São questões que remetem à especulação e que não são sustentadas por nenhuma prova ou indício para além da crença irracional. (leia-se: que não necessita de uma razão, da formação de uma conclusão a partir de proposições lógicas; é infundada, etc.)


Kraft durch Freude escreveu:
Porque é que tu nasceste, tens consciência de ti e te "calhou" esse corpo?

Antes de mais não confundas a minha posição com a dos criacionistas: Para os criacionistas é que existe um design inteligente, onde tudo é premeditado por um ser celestial todo-poderoso. Portanto tudo tem uma razão divina concreta, delineada e supervisionada por um ser transcendente.

Já em relação a mim: vejo as coisas como um resultado final de inúmeras variáveis que levaram até ao meu nascimento. Bastava que uma dessas variáveis se alterasse ligeiramente e eu poderia não estar cá neste momento. Por exemplo: Se o espermatozóide que fecundou o óvulo não fosse o mesmo, ou se o óvulo não fosse o mesmo mas sim o do período fértil anterior ou posterior àquele de onde resultei. Essas questões são passiveis de se investigar a partir da experiência. Sabemos disso porque já descodificámos as variáveis necessárias para que se dê o nascimento. Sem elas não existe nascimento. E cada espermatozóide e óvulo dá uma potencial vida, que é sempre diferente a nível físico e psicológico.

Não vejo qualquer tipo de razão primordial para ter nascido eu e não outra pessoa. Primeiro porque não sou egocêntrico e segundo porque as possibilidades para ter nascido outra pessoa para além de mim são enormes. Não me vejo como um escolhido. Vejo-me sim como um sortudo, pois pela lógica eu tive a sorte que muitos outros não têm porque jamais irão nascer. Basta contar os espermatozóides que são descartados ou os óvulos que vão pelo mesmo caminho. Nasci eu, porque alguém teria de nascer, já que todas as variáveis estavam satisfeitas no momento, tornando o nascimento altamente provável.

Kraft durch Freude escreveu:
Que benefício é que isso trouxe ao Universo?

Ao universo? Duvido que tenha trazido algum benefício. Aliás, acho que por mais consciente que seja a minha conduta na terra, não posso deixar de achar que faço parte de uma praga que assola o planeta terra. O ser humano tem contribuído para a destruição do planeta, isso foi catalisado pela revolução industrial e a crescente artificialidade acrescentada às nossas vidas.
Agora no plano social, espero ser benéfico para aqueles que me são mais chegados. Mas isso só depende de mim.

Kraft durch Freude escreveu:
Que razão houve para isso acontecer?

Não houve nenhuma razão em especial, foi simplesmente o desfecho lógico da reunião de diversos factores biológicos num determinado espaço-tempo.
Acho que a natureza tem lógica não porque anda sempre em busca dela ou porque alguém a supervisiona, mas porque a lógica é um subproduto da Realidade. Após a triagem do tempo, são estas as possibilidades lógicas de um desenrolar de acontecimentos, é matemático. Dadas as diversas possibilidades, o meu nascimento foi uma das que se concretizaram, porque alguma haveria de ser, já que as restantes condições estavam satisfeitas: condições como a fertilidade dos meus pais, por exemplo. Enquanto for possível suportar a vida no nosso planeta, penso que será sempre assim.


Kraft durch Freude escreveu:
Porque é que, só por tu não veres o benefício de a reencarnação ser "real", ela não há-de o ser?
Por duas razões:
A prova e a consciência.
Agora depende do que chames de reencarnação... Se achas que a passagem dos genes pode ser considerada uma "reencarnação" parcial da essência de determinados indivíduos, então tudo bem.
Agora se achas que a reencarnação é o regresso ao mundo de algo ou alguém que já tenha vivido anteriormente, acho que não temos grandes evidências disso para nos podermos ajoelhar cegamente perante essa ideia sem temer o engano...
Ora nunca ninguém voltou depois da morte e que tenha consciência disso. E ao que parece todas as pessoas são diferentes entre si, mesmo os gémeos.
Não sei qual é o interesse de permutar uma ideia de que devemos tentar reencarnar, se no fundo nunca temos a consciência se afinal somos reencarnados ou não. Porque não aplicar a navalha de occam e deixar explicações mirabolantes de lado, que não acrescentam nada que seja suportado factualmente? Porque não procurar antes a forma mais simples de explicar as coisas enquanto não surgirem razões de maior necessidade para introduzir tamanhas suposições?
Quem afirma ou "descobre" que somos reencarnados é que precisa de providenciar as devidas provas para sustentar as suas alegações.
Até lá tem tudo para ser uma especulação sem as mínimas provas ou indícios.

Kraft durch Freude escreveu:
Mais: se houver mesmo uma motivação para isso mas não for possível ao teu cérebro discerni-la, consideras que ela não pode mesmo existir?

Eu não sou fundamentalista nem dogmático, sou céptico, que é muito diferente. Tudo o que eu preciso são provas, razões ou indícios que me dêem a mínima noção de verosimilhança sobre algo antes de me prostrar perante uma ideia que pode limitar a minha vida. Se as obter, mudarei naturalmente de opinião. Não sou sectarista.
Agora como é óbvio não alego nada com certezas: uso apenas as ferramentas que me estão ao alcance. Não tomo isso por verdade absoluta, até porque não sou propriamente um epistemólogo. Essa é. aliás, a razão pela qual sou um ateu agnóstico e não um ateu forte.


Kraft durch Freude escreveu:
Não acho que tudo tenha de ter uma razão (ou que nós, humanos, tenhamos capacidade para entender tudo). Acho que há um limite a partir do qual as coisas deixam de fazer sentido, o Absurdo pega na lógica ao colo e senta-a num cantinho, bem sossegada e arrumada.

Não será o criacionismo uma ideia bem mais exagerada nesse ponto? (o ponto em que tudo tem de ter uma razão de ser).
É que para os criacionistas nada disto seria possível através da simples natureza, do acaso, da aleatoriedade de choques entre as variáveis. Para estes tudo tem de ser o resultado premeditado por uma figura (normalmente paternal) que desenha tudo com o maior dos cuidados, com intenção e com inteligência.

Há a alegoria da caverna de Platão, que deves conhecer, que alega que nós podemos estar agarrados a uma ideia do que é a "realidade", quando a Realidade pode ser outra. Isso é possível, em termos cosmológicos a humanidade ainda está a dar os primeiros passos. Ainda precisa de abrir os olhos em relação a muita coisa, por muito que os últimos séculos tenham despertado conhecimentos cada vez mais poderosos - que provavelmente estão bastante correctos uma vez que produzem resultados palpáveis. Resta-nos esperar que consigamos continuar a caminhar para fora dessa "caverna" da ignorância e ver a Realidade que está lá fora. Até lá, só podemos contar com o que nos parece credível, ou em algo mais rebuscado, sem necessidade de provas, caso optemos pela via da fé. Mas uma coisa parece ser comum a todos os humanos: a necessidade de tentar dar sentido a tudo, especialmente à questão da nossa identidade, de onde viemos, quem somos, para onde vamos e de como é que surgimos no mundo.

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
Kraft durch Freude
Herói/Heroína mitológic@
avatar

N. de Mensagens : 2053
Raça : Ent/Povo das Árvores
Deus : Ares (Guerra/Heroísmo/Conquista)

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Sab Set 18, 2010 10:51 pm

EDIT: Não se assustem com a dimensão Averróiesca deste post! Razz Razz A maior parte são citações! Laughing

Averróis escreveu:
Se para tudo o resto há sempre um criador, porque é que não pode haver um criador para o criador?... Questiono-me porquê. Razz
Se já cá estava é porque existe. Se existe então existe desde quando? Se existe desde X então o que é que é que o antecede? Ou criou-se a si próprio? São questões que remetem à especulação e que não são sustentadas por nenhuma prova ou indício para além da crença irracional. (leia-se: que não necessita de uma razão, da formação de uma conclusão a partir de proposições lógicas; é infundada, etc.)
Já te tinha respondido no meu post anterior, mas volto a dizer o mesmo: "já existia antes de todas as coisas". Tempo incluído. Nada o antecede. Será portanto a essência da própria existência, de onde tudo proveio, tempo, espaço, criação, existência incluídas. Da forma como o entendo, é suposto ser um conceito abstracto e não material, sem qualquer necessidade de ligação ao meio material, superior ao existencial ao qual nós, humanos, nos encontramos limitados (pelo menos na nossa componente física, mas isso são contas de outro rosário What a Face).


Averróis escreveu:
Antes de mais não confundas a minha posição com a dos criacionistas: Para os criacionistas é que existe um design inteligente, onde tudo é premeditado por um ser celestial todo-poderoso. Portanto tudo tem uma razão divina concreta, delineada e supervisionada por um ser transcendente.
Não sei a que "saco" de criacionistas te referes quando dizes que "para tudo o resto há sempre um criador" e que "tudo tem uma razão divina(...)". Tal como disse atrás, apenas apresento aqui o ponto de vista com o qual tive contacto. Não consigo encontrar grande lógica para esse tipo de raciocínio de que falas.


Averróis escreveu:
Já em relação a mim: vejo as coisas como um resultado final de inúmeras variáveis que levaram até ao meu nascimento. Bastava que uma dessas variáveis se alterasse ligeiramente e eu poderia não estar cá neste momento. Por exemplo: Se o espermatozóide que fecundou o óvulo (...)
Referia-me a "ti", na tua existência não-física. A tua consciência, aquilo que tu és na tua vertente não-corpórea. Aceito que não consigas ter essa noção de ti mesmo e apenas consigas entender-te como pertencente ao mundo físico. Se assim for, penso que não vale a pena insistir mais neste ponto.


Averróis escreveu:
*Tudo* o que acontece connosco tem uma razão de ser.
Averróis escreveu:
Não vejo qualquer tipo de razão primordial para ter nascido eu e não outra pessoa. Primeiro porque não sou egocêntrico e segundo porque as possibilidades para ter nascido outra pessoa para além de mim são enormes. Não me vejo como um escolhido. Vejo-me sim como um sortudo (...)
Confesso que não te percebo.

Isto só me fez lembrar algo que li há pouco tempo:
- Acredita na intuição?
- Não. Mas algo me diz que um dia sou capaz de vir a acreditar.

scratch

Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Que benefício é que isso [teres nascido quem és] trouxe ao Universo?
Ao universo? Duvido que tenha trazido algum benefício.
Dizes-me que não entendes a motivação para a reencarnação por não veres nenhum benefício nisso. Mas também dizes que não vês benefício nenhum no facto de teres nascido tu e não outra pessoa em vez de ti. Ora, porque descartas a possibilidade da reencarnação pelo facto de não lhe encontrares benefício, se o mesmo sucede com a tua existência e no entanto... Existes?

Não acho que o facto de "não encontrares o benefício", não achares lógica ou não entenderes a motivação de algo seja um bom motivo para descartar possibilidades. E atenção que não digo que tenhas de as aceitar como verdades absolutas. Apenas não entendo porque descartas essas possibilidades "apenas" por falta de evidências.


Averróis escreveu:
Não houve nenhuma razão em especial, foi simplesmente o desfecho lógico da reunião de diversos factores biológicos num determinado espaço-tempo.
Mais uma vez, não me referia à tua existência biológica, mas sim àquilo que tu és para além disso.


Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Porque é que, só por tu não veres o benefício de a reencarnação ser "real", ela não há-de o ser?
Por duas razões:
A prova e a consciência.
Achas, portanto, que apenas o que o ser humano é capaz de provar como lógico e aquilo de que é capaz de tomar consciência é passível de ser "real"? (Refiro-me à "realidade" no sentido em que estava contextualizada aqui -- há por aí um tópico em que o conceito do "real" já foi suficientemente esmifrado)


Averróis escreveu:
Não sei qual é o interesse de permutar uma ideia de que devemos tentar reencarnar, se no fundo nunca temos a consciência se afinal somos reencarnados ou não.
Não sei se compreendo o sentido com que falas em "permutar uma ideia". De qualquer das formas, eu não vejo mal nenhum em alguém ter "fé" em algo. Se isso lhe faz ver a vida com maior clareza/conforto, não tenho absolutamente nada contra.


Averróis escreveu:
Porque não aplicar a navalha de occam e deixar explicações mirabolantes de lado, que não acrescentam nada que seja suportado factualmente? Porque não procurar antes a forma mais simples de explicar as coisas enquanto não surgirem razões de maior necessidade para introduzir tamanhas suposições?
Muito simples: porque não me sinto na posição de obrigar ninguém a acreditar no que quer que seja nem a entender o mundo da forma como eu o entendo. Gosto de ouvir ideias diferentes e de partilhar as que tenho. Gosto de conhecer outros pontos de vista, mesmo que me pareçam mirabolantes. Se há quem queira acreditar nelas, por mim tudo bem. Eu também não tenho necessidade de convencer ninguém a ver as coisas como eu as vejo.


Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Mais: se houver mesmo uma motivação para isso mas não for possível ao teu cérebro discerni-la, consideras que ela não pode mesmo existir?

Eu não sou fundamentalista nem dogmático, sou céptico, que é muito diferente. Tudo o que eu preciso são provas, razões ou indícios que me dêem a mínima noção de verosimilhança sobre algo antes de me prostrar perante uma ideia que pode limitar a minha vida. Se as obter, mudarei naturalmente de opinião. Não sou sectarista.
Não me lembro de alguém alguma vez me ter forçado a prostrar perante qualquer ideia que fosse, muito menos que limitasse a minha vida. Tenho dificuldade em entender a que te referes, mas ao que parece infelizmente ainda há muita gente sujeita a esse tipo de situações.
Acho que não me "prostro" diante de ideia nenhuma, mesmo que me pareça a coisa mais óbvia do mundo. Talvez seja a flexibilidade, ao não me prostrar perante esta ou aquela tese, por mais bem defendida que esteja, que faz com que não exclua outras hipóteses, por mais mirabolantes que me pareçam. Ora, isto pode ser bom ou mau... Quando chegar a uma conclusão apito! (Naamah: não és só tu que começas a divagar no meio dos novelos de pensamentos! Razz)


Averróis escreveu:
Agora como é óbvio não alego nada com certezas: uso apenas as ferramentas que me estão ao alcance. Não tomo isso por verdade absoluta (...)
Nesse caso, reformulo a mesma questão: admitamos que há uma motivação para algo acontecer (ex.: reencarnação), mas que o teu cérebro não é capaz de a discernir devido a alguma limitação que lhe é intrínseca. Admites, nesse caso, que esse algo (ex.: reencarnação) pode ser possível?


Averróis escreveu:
Não será o criacionismo uma ideia bem mais exagerada nesse ponto? (o ponto em que tudo tem de ter uma razão de ser).
É que para os criacionistas nada disto seria possível através da simples natureza, do acaso, da aleatoriedade de choques entre as variáveis. Para estes tudo tem de ser o resultado premeditado por uma figura (normalmente paternal) que desenha tudo com o maior dos cuidados, com intenção e com inteligência.
Desculpa, volto a não conseguir perceber a que "saco" de criacionistas te referes com tanta generalização.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Averróis
Deus(a) da Lua (moderação)
avatar

Masculino
Sagitário N. de Mensagens : 3508
Idade : 818
Local : Córdoba

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Dom Set 19, 2010 2:58 am

Kraft durch Freude escreveu:
Já te tinha respondido no meu post anterior, mas volto a dizer o mesmo: "já existia antes de todas as coisas". Tempo incluído. Nada o antecede. Será portanto a essência da própria existência, de onde tudo proveio, tempo, espaço, criação, existência incluídas. Da forma como o entendo, é suposto ser um conceito abstracto e não material, sem qualquer necessidade de ligação ao meio material, superior ao existencial ao qual nós, humanos, nos encontramos limitados (pelo menos na nossa componente física, mas isso são contas de outro rosário What a Face).

Se assim fosse, tudo bem, sempre seria mais congruente da parte de quem alega que ele está no seio da criação, mas o problema é que nas religiões organizadas dominantes (Cristianismo, Judaismo, Islamismo) Deus é constantemente materializado logo a partir do ponto em que o começam a descrever de uma forma antropomórfica, chegando mesmo a referir-se a Ele como "Senhor", claramente definindo o seu sexo.
Não digas que estou também a generalizar, porque sabes que é verdade. Wink




Kraft durch Freude escreveu:
Não sei a que "saco" de criacionistas te referes quando dizes que "para tudo o resto há sempre um criador" e que "tudo tem uma razão divina(...)". Tal como disse atrás, apenas apresento aqui o ponto de vista com o qual tive contacto. Não consigo encontrar grande lógica para esse tipo de raciocínio de que falas.

Também não sei a que saco de criacionistas te referes, porque aqueles com quem contactei foram bem explícitos: "Olha como tudo é perfeito e belo: as células, o equilíbrio da natureza, os planetas e o universo... Tudo isto tem de ter um criador para lhe dar fundamento e coesão! Para mim esse criador é Deus.". Esta opinião pode não reflectir a forma como TODOS os criacionistas pensam, mas certamente que pinta a forma como a MAIORIA pensa. Não desejo ser mal interpretado nisto... Depois, quando lhes pergunto quem criou Deus, ficam-se a questionar sobre esse ponto porque no fundo é uma incógnita até para quem acredita em Deus, onde só podemos contar com suposições sem qualquer tipo de fundamento para alem da crença.


Kraft durch Freude escreveu:
Referia-me a "ti", na tua existência não-física. A tua consciência, aquilo que tu és na tua vertente não-corpórea. Aceito que não consigas ter essa noção de ti mesmo e apenas consigas entender-te como pertencente ao mundo físico. Se assim for, penso que não vale a pena insistir mais neste ponto.

Essa minha pretensa existência incorpórea a meu ver não passa de uma consciência emulada pelas capacidades do meu cérebro, os meus neurónios, todas as constituintes do meu cérebro acabam por ser responsáveis por diversas áreas daquilo a que chamas alma e a que eu chamo de consciência. É algo que depende do pleno funcionamento do cérebro para se manter. Creio que quando o cérebro morre clinicamente tudo o que é consciência ou "alma", conforme lhe quisermos chamar, morre também. (posso chamar alma, para facilitar a coisa, mas para mim a alma independente da existência física, tal como a pintam, não existe).
Faço constantemente uma comparação com o hardware e o software. O software também é algo que não é físico, é emulado a partir do hardware. A diferença é que entre nós não existem cópias/backups, cada um tem o seu "sistema operativo". Quando o hardware falha de forma irrecuperável, esse software perde-se junto com ele.
E sim, não vejo a minha consciência como algo que transcende este mundo ou esta dimensão. Vejo como um mero (mas não menos interessante) conjunto de funções cerebrais que são alicerces que nos permitem sobreviver, assimilar o que nos rodeia e tomar decisões.


Averróis escreveu:
*Tudo* o que acontece connosco tem uma razão de ser.
Averróis escreveu:
Não vejo qualquer tipo de razão primordial para ter nascido eu e não outra pessoa. Primeiro porque não sou egocêntrico e segundo porque as possibilidades para ter nascido outra pessoa para além de mim são enormes. Não me vejo como um escolhido. Vejo-me sim como um sortudo (...)
Kraft durch Freude escreveu:
Confesso que não te percebo.

É simples (ou talvez não? Razz) - Existe uma razão lógica para tudo, geralmente prende-se com causas naturais tais como a própria selecção natural, na qual vejo indícios sólidos, e para mim essa razão não é de todo proveniente de uma inteligência divina. Ela na minha opinião não passa do que referi: jogo aleatório de possibilidades que se esgrimam entre si acabando por resultar, eventualmente, em algo que é catalisado por condicionantes várias e que passa por triagem de tantas outras.
A teleologia é interessante de se estudar, mas não concordo minimamente com a sua relevância transplantada para a realidade. Não vejo a minha existência como algo definido e premeditado por um ser celestial.
Pessoalmente, mais depressa aceitava a teoria da panspermia como origem da vida no nosso planeta.


Kraft durch Freude escreveu:
Isto só me fez lembrar algo que li há pouco tempo:
- Acredita na intuição?
- Não. Mas algo me diz que um dia sou capaz de vir a acreditar.

scratch

Até ao momento, não vejo qualquer indício que me possa levar a crer que num futuro próximo passe a acreditar num Deus. Mas como disse, bastava obter as provas necessárias para eu assumir que estava errado e redefinir as minhas concepções acerca do mundo onde vivo.
Já agora: Pessoalmente não vejo a intuição como algo sobrenatural. Vejo-a como uma reacção natural do ser humano, que inconscientemente tenta preparar-se para o que se avizinha através de uma rápida dedução (normalmente não intencional) da probabilidade mais sonante.
Por exemplo: Uma pessoa que vai ter um encontro com alguém que tem uma reputação de levar uma vida de negócios obscuros... A nossa intuição deverá, de antemão, dar-nos a impressão que há algo que pode não correr bem nesse encontro. Porquê? Porque o nosso cérebro já assimilou o facto de que esse indivíduo poderá não ser de confiança. É só um pequeno exemplo.

Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Que benefício é que isso [teres nascido quem és] trouxe ao Universo?
Ao universo? Duvido que tenha trazido algum benefício.
Dizes-me que não entendes a motivação para a reencarnação por não veres nenhum benefício nisso. Mas também dizes que não vês benefício nenhum no facto de teres nascido tu e não outra pessoa em vez de ti. Ora, porque descartas a possibilidade da reencarnação pelo facto de não lhe encontrares benefício, se o mesmo sucede com a tua existência e no entanto... Existes?

O facto de eu existir em nada me impede de achar que a minha existência e a existência da humanidade em geral se tornou em algo de negativo para o equilíbrio do ecossistema. Estou apenas a ser realista, olhando para o que tem vindo a acontecer a olhos vistos.
E também não me impede de achar que existo por coincidência de factores não predeterminados/predestinados.
A questão é a seguinte: Não há benefício calculável na minha existência ao invés da existência de outra pessoa, porque nunca se sabe qual irá ser mais útil durante a sua vida, se queremos ver as coisas através desta perspectiva utilitarista. Mas existimos.
Quando referi a que não via benefício na reencarnação, não quis dar a entender que isso só por si justificaria a sua inverosimilhança. Creio que não percebeste bem. Referi-o para demonstrar o que penso em relação à teoria da vida cíclica de uma alma, pois acho que ao ser verdade, seria bem mais interessante termos consciência de vidas antepassadas. E disse-lo contrapondo quem afirma que ela é uma mais valia para nós e que portanto - dizem eles - devemos fazer de tudo para garantir que Deus assegure a "continuidade da nossa alma".
Outra coisa: Como se explica que estejamos a entrar em sobrepopulação, se supostamente, há uns milhares de anos atrás, tínhamos uma população mundial bem mais modesta? Então quem acredita que há a ressurreição também tem de acreditar na criação de almas realmente novas, sem qualquer vida anterior... Isso ou acreditar que Deus criou logo à partida todas as almas possíveis e imaginárias, e que muitas até ao momento ainda não tinham vindo à terra, ou têm percorrido longas listas de espera antes de reencarnar. Sleep

Kraft durch Freude escreveu:
Não acho que o facto de "não encontrares o benefício", não achares lógica ou não entenderes a motivação de algo seja um bom motivo para descartar possibilidades.

Como já referi, quando afirmei que não via o benefício não foi para aprovar ou desaprovar a sua verosimilhança mas sim para contrapor quem afirma que há um benefício em salvar a nossa alma para que ela possa ser presenteada pela ressurreição.

Kraft durch Freude escreveu:
E atenção que não digo que tenhas de as aceitar como verdades absolutas. Apenas não entendo porque descartas essas possibilidades "apenas" por falta de evidências.
A falta de evidência é razão suficiente para poder descartar a possibilidade no contexto da convicção pessoal, creio eu.
Agora não me vês a afirmar que eu estou correcto e que os outros estão errados e não devem por isso poder dar a sua opinião, isso não, isso eu não faço. Uma coisa é a convicção pessoal e o meu cepticismo, outra é a posição dogmática que se acha na posse do conhecimento absoluto e irredutível. Isto é verdade tanto para quem é contra como para quem é a favor.
Resumindo: Não acredito por falta de provas, mas também não digo que tenho certezas do que quer que seja em relação a isso. Digo a apenas que tomo a liberdade de formar a minha opinião pessoal a partir daquilo que, de acordo com as minhas observações, me parece mais verosímil e credível. Penso que seja esse o raciocínio seguido pela maioria das pessoas com uma posição moderada.


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Não houve nenhuma razão em especial, foi simplesmente o desfecho lógico da reunião de diversos factores biológicos num determinado espaço-tempo.
Mais uma vez, não me referia à tua existência biológica, mas sim àquilo que tu és para além disso.
Não acredito que seja algo mais para além da minha existência biológica. Como disse acho que a minha existência mental é uma mera emulação cerebral, a nossa abstracção, pensamento, consciência, raciocínio para mim é um conjunto de funções cerebrais que está intimamente dependente da funcionalidade do nosso cérebro. Fazendo uma analogia, sem ele a nossa "alma" extingue-se como a chama de um isqueiro sem gás. E a meu ver não tenho razões - até ao momento - para acreditar que esse seja um isqueiro recarregável.


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Porque é que, só por tu não veres o benefício de a reencarnação ser "real", ela não há-de o ser?
Por duas razões:
A prova e a consciência.
Achas, portanto, que apenas o que o ser humano é capaz de provar como lógico e aquilo de que é capaz de tomar consciência é passível de ser "real"? (Refiro-me à "realidade" no sentido em que estava contextualizada aqui -- há por aí um tópico em que o conceito do "real" já foi suficientemente esmifrado)

Uma coisa é a convicção pessoal - todos nós temos uma. Também conhecido por opinião.
Outra coisa é um paradigma científico, que geralmente se vê como credível para a grande maioria das pessoas, até porque é algo que normalmente dá frutos palpáveis, dá-lhe consistência e verosimilhança, até pela forma como as questões científicas são trabalhadas, com rigor e exigência - o método científico é isso mesmo.

Acho que todos "provamos" para nós mesmos, nem que seja inconscientemente, que aquilo em que acreditamos merece ser mantido por não conseguirmos encontrar razões para pensar de forma contrária.
Se perguntas em relação ao plano para lá da convicção pessoal, digo-te que não, não estou nessa posição para definir o que é ou não real para todos nós. Isso era trabalho de quem se dedicava à ontologia e à epistemologia... E mesmo assim haverá sempre diferentes pontos de vista, porque cada um vê as coisas da sua forma.

Só posso preocupar-me com a parte que me toca. Ser exigente para comigo mesmo e esperar ter as posições que sejam o mais consonante possível com a Realidade, e isso é algo que obviamente não tenho forma de determinar categoricamente.


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Não sei qual é o interesse de permutar uma ideia de que devemos tentar reencarnar, se no fundo nunca temos a consciência se afinal somos reencarnados ou não.
Não sei se compreendo o sentido com que falas em "permutar uma ideia". De qualquer das formas, eu não vejo mal nenhum em alguém ter "fé" em algo. Se isso lhe faz ver a vida com maior clareza/conforto, não tenho absolutamente nada contra.
O sentido que usei foi: Permutar = dar continuidade.
Também não vejo nenhum mal em alguém ter fé nisso, tal como venho dito: cada um é como é, cada qual tem a sua posição e eu respeito isso. Agora quanto à parte que me toca, efectivamente não vejo sentido nisso, razão pela qual escolho não fazer parte desse grupo de pessoas que acreditam na ressurreição. É uma opinião pessoal e estou a dar uso ao meu direito tal como essas pessoas que discordam de mim. Estamos em pé de igualdade. Cada um acha que tem mais razões para acreditar na posição que tem actualmente do que na posição adoptada pelo opositor.


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Porque não aplicar a navalha de occam e deixar explicações mirabolantes de lado, que não acrescentam nada que seja suportado factualmente? Porque não procurar antes a forma mais simples de explicar as coisas enquanto não surgirem razões de maior necessidade para introduzir tamanhas suposições?
Muito simples: porque não me sinto na posição de obrigar ninguém a acreditar no que quer que seja nem a entender o mundo da forma como eu o entendo. Gosto de ouvir ideias diferentes e de partilhar as que tenho. Gosto de conhecer outros pontos de vista, mesmo que me pareçam mirabolantes. Se há quem queira acreditar nelas, por mim tudo bem. Eu também não tenho necessidade de convencer ninguém a ver as coisas como eu as vejo.

E achas sinceramente que eu estou aqui - ou em qualquer outro lugar - com a intenção de mudar as perspectivas de alguém e castrar-lhe o direito à sua opinião? Eu sou liberal por natureza, gosto do convívio com opiniões contrárias às minhas e estou convicto que esse confronto de ideias tem tudo para ser positivo e saudável para ambas as partes, desde que haja respeito e não se tente capar a confiabilidade e relevância da posição de cada um de uma forma malíciosa. O debate é algo que deveria acontecer mais ao longo das nossas vidas.


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Kraft durch Freude escreveu:
Mais: se houver mesmo uma motivação para isso mas não for possível ao teu cérebro discerni-la, consideras que ela não pode mesmo existir?

Eu não sou fundamentalista nem dogmático, sou céptico, que é muito diferente. Tudo o que eu preciso são provas, razões ou indícios que me dêem a mínima noção de verosimilhança sobre algo antes de me prostrar perante uma ideia que pode limitar a minha vida. Se as obter, mudarei naturalmente de opinião. Não sou sectarista.
Não me lembro de alguém alguma vez me ter forçado a prostrar perante qualquer ideia que fosse, muito menos que limitasse a minha vida. Tenho dificuldade em entender a que te referes, mas ao que parece infelizmente ainda há muita gente sujeita a esse tipo de situações.

Refiro-me ao que considero ser bullying religioso que leva algumas pessoas a reprimirem-se e sofrer as consequências disso ao longo da sua vida. Um exemplo disso é a questão do papel social e da sexualidade. O bullying religioso fazia, até há bem pouco tempo, com que as mulheres tivessem não só uma posição rebaixada socialmente, como também lhes castrava a legitimidade do direito ao prazer sexual. Isso ainda é verídico em alguns países, e é aliás a razão pela qual ainda se pratica a circuncisão feminina, que creio ser do teu conhecimento.
Além disso refiro-me a toda e qualquer manifestação religiosa que implica o sacrifício do crente. Seja ela a inofensiva peregrinação até à própria auto-flagelação como é o caso da Opus Dei.
Cada um é livre de o fazer. Mas pessoalmente considero que devo ter mais provas credíveis acerca de algo antes de me prostrar e adoptar uma vida de tamanhos sacrifícios e dedicação a algo tão ambíguo, que pode ou não existir. Essa é uma convicção pessoal, e não imponho essa visão a ninguém, é apenas a minha forma de pensar, que beneficia largamente da minha falta de fé religiosa.


Kraft durch Freude escreveu:
Acho que não me "prostro" diante de ideia nenhuma, mesmo que me pareça a coisa mais óbvia do mundo. Talvez seja a flexibilidade, ao não me prostrar perante esta ou aquela tese, por mais bem defendida que esteja, que faz com que não exclua outras hipóteses, por mais mirabolantes que me pareçam. Ora, isto pode ser bom ou mau... Quando chegar a uma conclusão apito! (Naamah: não és só tu que começas a divagar no meio dos novelos de pensamentos! Razz)

Então, se assim é, também não somos muito diferentes quanto a isso. E eu não rejeito outras hipóteses. Há pouco referi a panspermia, ora essa é uma explicação alternativa pouco verosímil, difícil de acreditar, mas ainda assim existem indícios de que alguns micróbios sobrevivem diversos meses no espaço, em contacto com o vácuo e as temperaturas impensáveis a que são sujeitos. Em estado de criogenia/hibernação - e sabendo que os meteoroides estão muitas vezes congelados - esse período de tempo poderia ser alargado para lá do que se possa imaginar, tudo graças à quase-suspensão do metabolismo. Aliás, há sempre a probabilidade da contaminação de outros planetas com micróbios terrestres e a NASA sempre contou com essa possibilidade e tem tido constantes preocupações de esterilização, ainda que a hipótese de contaminação possa parecer ao início algo remota:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4408268-EI301,00-Viagens+podem+contaminar+Marte+com+microbios+da+Terra.html


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Agora como é óbvio não alego nada com certezas: uso apenas as ferramentas que me estão ao alcance. Não tomo isso por verdade absoluta (...)
Nesse caso, reformulo a mesma questão: admitamos que há uma motivação para algo acontecer (ex.: reencarnação), mas que o teu cérebro não é capaz de a discernir devido a alguma limitação que lhe é intrínseca. Admites, nesse caso, que esse algo (ex.: reencarnação) pode ser possível?

Claro que colocando as coisas por esse ponto de vista terá de ser aceite como possível, por muito difícil que se ache tal coisa. É o mesmo que eu te perguntar, tendo em conta que o teu cérebro pode não ser capaz de discernir devido à complexidade de determinado assunto, se não será possível que Deus não exista de todo e apenas exista um ser maligno no seu lugar, a quem podemos chamar de Diabo. Admites, nesse caso, que tal pode ser possível?
Penso que normalmente só quem é dogmático e intransigente é que diria que não de forma tão absoluta e negacionista. Porque quem é moderado normalmente, por muito que tenha as suas convicções pessoais, sabe admitir que não sabe tudo e portanto tem sempre alguma humildade intelectual.
Mas a aceitação da possibilidade (ainda que longínqua) de algo poder existir dessa forma, que só surge muitas vezes por não ser possível desaprovar ou aprovar a sua existência, não implica que - na convicção pessoal do indivíduo - este tenha de estar mais inclinado para uma o outra outra opinião.
No meu caso, embora não me seja possível provar que Deus não existe e de eu achar que não estou na posição de determinar uma coisa dessas, considero que até ao momento ainda não tenho razões para tomar essa possibilidade de existência como uma certeza, e acontece que a minha posição é céptica em relação a quem afirma tal coisa, e isso favorece a ideia de que ainda não há necessidade da minha parte em pensar de uma outra forma.


Kraft durch Freude escreveu:
Averróis escreveu:
Não será o criacionismo uma ideia bem mais exagerada nesse ponto? (o ponto em que tudo tem de ter uma razão de ser).
É que para os criacionistas nada disto seria possível através da simples natureza, do acaso, da aleatoriedade de choques entre as variáveis. Para estes tudo tem de ser o resultado premeditado por uma figura (normalmente paternal) que desenha tudo com o maior dos cuidados, com intenção e com inteligência.
Desculpa, volto a não conseguir perceber a que "saco" de criacionistas te referes com tanta generalização.

A wikipedia vale o que vale, mas aqui fica: http://pt.wikipedia.org/wiki/Criacionismo

A própria definição de criacionista é mesmo essa: A crença de que tudo é criado por algo ou alguém (mais propriamente uma força/ser divino). Daí a etimologia da palavra "criacionismo"... No kidding! scratch Razz

Aliás, não é preciso ir muito longe. Veja-se uma das frases mais célebres da bíblia:

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (João 1:1-3).

_________________

· Website | Bandcamp | SoundCloud | Last.fm ·
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://undogmatic.net78.net/
Fundador (ex-Váli)
Deus(a) do Sol (administração)
avatar

Masculino
Áries Cobra
N. de Mensagens : 2041
Idade : 28
Local : Lisboa
Raça : Ent/Povo das Árvores
Elemento : Madeira
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Verde

MensagemAssunto: Da felicidade e do Sentido de Vida   Qua Fev 15, 2012 2:22 pm

Citação :
Quando então dizemos que o fim último é o prazer, não nos referimos aos prazeres dos intemperantes ou aos que consistem no gozo dos sentidos, como acreditam certas pessoas que ignoram o nosso pensamento, ou não concordam com ele, ou o interpretam erroneamente, mas ao prazer que é ausência de sofrimentos físicos e de perturbações da alma. Não são, pois, bebidas nem banquetes contínuos, nem a posse de mulheres e rapazes, nem o sabor dos peixes ou das outras iguarias de uma mesa farta que tornam doce uma vida, mas um exame cuidadoso que investigue as causas de toda escolha e de toda rejeição e que remova as opiniões falsas em virtude das quais uma imensa perturbação toma conta dos espíritos

Por Epicuro

Os sabios antigos ligavam o seu sentido de vida ao de descobrir ao ponto de emanciparem todo o tipo de sentimentos em prol da virtude e dos prazeres da sabedoria. No entanto muitos discordavam e surgio uma nova corrente que advogava os sentidos: o hedonismo.

Citação :
Aristipo de Cirene (ca. 435-335 a.C.), contemporâneo de Sócrates, é considerado o fundador do hedonismo filosófico. Ele distinguia dois estados da alma humana, o prazer (movimento suave do amor) e a dor (movimento áspero do amor). Segundo ele o prazer, independentemente da sua origem, tem sempre a mesma qualidade e o único caminho para a felicidade é a busca do prazer e a diminuição da dor. Ele afirma inclusive que o prazer corpóreo é o próprio sentido da vida. Outros defensores do hedonismo clássico foram Teodoro de Cirene e Hegesias de Cirene.

Para voces do que depende a felicidade? O que precisamos para ser totalmente felizes?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://folklusitania.heavenforum.com
Fundador (ex-Váli)
Deus(a) do Sol (administração)
avatar

Masculino
Áries Cobra
N. de Mensagens : 2041
Idade : 28
Local : Lisboa
Raça : Ent/Povo das Árvores
Elemento : Madeira
Deus : Poseidon (Mar/Ideologia/Sonho)
Cor : Verde

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Sab Fev 18, 2012 2:07 pm

Vou responder a minha propria pergunta. Razz (O que precisava para ser feliz?)

Gostava de implantar na terra o paraiso do Eden alien e que ninguem passasse dificuldades na vida. Ou seja e falando mais a serio, acho que é importante a pessoa cultivar um ideal ao qual se possa dedicar, outro para alem de pintar o cabelo de vermelho What a Face (tadinha da Urania). Normalmente e por natureza temos tendencia a dar como exemplos de felicidade objectivos individualistas, o que poderia dar para um topico a parte, se devemos ou não ser individualistas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://folklusitania.heavenforum.com
Urânia
Rei/Rainha
avatar

Feminino
Câncer Tigre
N. de Mensagens : 1298
Idade : 31
Raça : Elfo
Elemento : Ar
Deus : Urano (Céu/Elevação/Perfeição)
Cor : Verde

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Sab Fev 18, 2012 10:39 pm

Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Vampiria
Rei/Rainha
avatar

Feminino
N. de Mensagens : 1234
Local : Ilha dos Sonhos
Raça : Druida/Feiticeiro
Elemento : Terra/Rocha
Deus : Deméter (Terra/Natureza/Estações)
Cor : Roxo

MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   Dom Fev 19, 2012 10:17 am

O sentido da vida cultiva-se todos os dias e não tem que ser único, pois nós mudamos com o tempo, amadurecemos, o que pensamos hoje poderá ser diferente amanhã.

Por exemplo, desde que me conheço quero que exista sempre uma resposta para tudo. Fico com nervoso miudinho se não encontro o porquê de algo. Com o passar do tempo fui aprendendo que nem sempre existem respostas para tudo e que mais vale superarmos determinado acontecimento, seguir em frente e esquecer, senão instala-se a paranóia.

O que realmente importa na vida, não é viver, mas saber viver. Por vezes, saber viver é realmente bastante dificil.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Sentido da vida   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Sentido da vida
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 4 de 4Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4
 Tópicos similares
-
» A vida de um meio sangue.
» Vida de Programador!
» Vida Loka de Kayo Lend Parte 2
» DUPLO SENTIDO
» Chat na Vida Real

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Folk Lusitânia :: Parte Sul :: Academia de Filosofia-
Ir para: